terça-feira, abril 25

A nobre arte de gamar

O estereotipo do bandido tradicional divide-se em:
- Bandido do tipo 1: indivíduo de estatura média, encarapuçado, vestido de negro e com um saco de serapilheira às costas;
- Bandido do tipo 2: presidiário foragido, barba de 5 dias, indumentária com riscas horizontais pretas sobre fundo branco e número identificativo.

Em rigor, qualquer um pode ser gatuno. É sabido que um fato e gravata transformam o rei dos burgessos num cidadão acima de qualquer suspeita*; uma jardineira azul com a inscrição "JR Simões – Mudanças", também. Para compor o ramalhete basta apenas uma Ford Transit branca, preferencialmente estacionada em segunda fila. Depois é só agir com naturalidade. Esse é, indiscutivelmente, o conceito-chave da nobre arte de gamar. Proceder como se nada de errado estivesse a acontecer, roubar descaradamente e com um sorriso nos lábios, inclusive solicitando a colaboração do sujeito visado para "dar uma mãozinha", auxiliando a colocar o material furtado na carrinha...


* ver post Fatos factuais

2 Comments:

At 6:17 da tarde, Anonymous XT said...

Nem mais, agir com naturalidade, e assima de tudo, para aqueles q são incapazes de o fazer ou se têm medo de algum stress, agir, como se nao soubessem, ou nao sabendo que estam a agir de modo errado.

 
At 7:58 da tarde, Anonymous Miguel45 said...

tão enganados os maiores gatunos não xão esses tão sempre muito bem vestidos nos damos-lhes o nome de politicos tenhão cuidado que esses são os mais perigosos !!!!!!

 

Enviar um comentário

<< Home